• Uma boa comunicação entre o staff de um time de futebol pode ter influência na incidência de lesões?
  • Grande parte dos estudos de prevenção de lesões em jogadores de futebol foca nos fatores de risco próprios do atleta (intrínsecos).
  • A boa comunicação entre o departamento médico e o treinador gera menos gastos com lesões e maior disponibilidade dos jogadores em treinos e jogos.

 

Durante os últimos 15 anos a incidência de lesões musculares no futebol masculino permaneceu estável. Os métodos preventivos que focam em fatores de risco próprios do atleta não têm sido significantes na redução das taxas de lesões em nível profissional.

Os departamentos médicos das principais equipes da UEFA (Union of European Football Associations) citam diversos fatores de risco que contribuem para gerar lesões e suas consequências negativas. Mas 4 destes fatores foram os mais comentados:

1) Carga de treinamento imposta aos jogadores (Leia sobre o impacto do Training workload aqui).
2) Bem estar dos atletas
3) A qualidade da comunicação interna da equipe
4) O “estilo” de liderança do treinador.

A comunicação tem sido um importante fator de influência positiva na performance das equipes esportivas, mas pouco tem sido estudado a respeito.

A boa comunicação é essencial para um ambiente de trabalho saudável. Mas será que essa regra também serve para o futebol? Um time/equipe em que os diversos setores (administrativo, médico, técnico, etc) se comunicam de forma eficiente seriam menos predispostos à lesão?

Um artigo da conceituada British Journal of Sports Medicine diz que sim.

Nesse artigo o departamento médico (medical staff) de 36 times da elite europeia responderam à um questionário sobre a qualidade da comunicação interna em suas equipes. Os autores queriam saber se a qualidade da comunicação interna estava relacionada com as lesões e a disponibilidade dos jogadores aos treinos e jogos. Avaliaram ainda a qualidade da comunicação dentro do departamento médico (médicos e fisioterapeutas) e entre staff médico e outros membros da estrutura organizacional do time (preparadores físicos, treinador, CEO, presidente).

O questionário de percepção da qualidade da comunicação interna consistia em uma escala Likert de 5 pontos, que vai de “ruim” (score=1) até “muito muito bom” (score=5), onde quanto mais alto o score melhor a comunicação interna do time.

Figura 1 – Qualidade da comunicação interna entre departamento médico e diferentes setores organizacionais do time. (Escala de Likert, 1=ruim e 5=muito muito bom)

FONTE: Ekstrand et al. 2018 (BJSM)

O estudo encontrou que a qualidade da comunicação interna está diretamente associada às taxas de lesões e à disponibilidade dos jogadores aos treinos e jogos. Equipes com alta qualidade de comunicação interna tem menos gastos com lesões, menos lesões severas (aquelas que necessitam mais do que 28 dias de tratamento) e maior disponibilidade dos atletas aos jogos e treinamentos quando comparados àqueles com baixa qualidade de comunicação.

Um dos resultados mais importante do estudo foi que a qualidade de comunicação entre o departamento médico e o treinador tem uma influência significativa, já que encontraram que times com baixa qualidade de comunicação interna tem 6-7% menos disponibilidade de atletas aos jogos e treinos e 50% mais de custos com lesões. Atletas e departamento médico são muitas vezes pressionados para o retorno rápido do atleta aos treinos e jogos, mas os resultados deste estudo destacam a importância do diálogo entre medical staff e treinador. Principalmente com atletas que estão voltando de lesão, afim de evitar que o retorno ao esporte seja precipitado e que ocorram as temidas recorrências da lesão.

A carga de treinamento inadequada, que também é um fator de risco para lesões, pode ser alterada e adequada com uma boa comunicação interna entre medical staff e preparadores físicos e treinadores. Até mesmo o bem estar dos atletas que deve ser monitorado constantemente depende de boa comunicação e confiança entre atletas e comissão técnica. Apesar de pouco estudada, a qualidade interna da comunicação é um fator de risco que deve ser levado em conta a partir de agora, pois pode ajudar o clube a ter menos jogadores lesionados durante a temporada.

 

Referência:

1 – Ekstrand, J.; Lundqvist, D; Davison, M; et al. Communication quality between the medical team and the head coach/manager is associated with injury burden and player availability in elite football clubs. BJSM. 2018.

 

Corredor de rua e praticante de artes marciais.

Fisioterapeuta, especialista em Fisioterapia Esportiva.
Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente.
Trabalha junto à equipe do FC Lokomotiv Moscow, em Moscou, Rússia.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS