• Luxação significa a mudança de um osso do seu correto posicionamento em uma articulação, popularmente conhecido como “deslocar”.
  • Sim, vários comentaristas esportivos falam erroneamente a luxação como sinônimo de contusão (uma batida). Quem não lembra do “Foi só uma luxação”!
  • A Luxação é uma das lesões mais grave que pode ocorrer na ortopedia.
  • É necessário o tratamento imediato da luxação para evitar outras lesões.
  • O tratamento inicial será, na grande maioria, conservador (sem cirurgia). No entanto alguns critérios precisam ser observados.
  • A recorrência da luxação no tratamento conservador varia de 25 a 92% e no tratamento cirúrgico de 7,9 a 17,8%.
  • A cirurgia é, normalmente, feita por via artroscópica (vídeo)
  • O retorno ao esporte pode levar de 3 a 4 meses após o episódio de luxação

 

 

Luxação significa a saída de um osso do posicionamento correto de uma articulação, popularmente conhecido como “deslocar”. Sim, vários comentaristas esportivos falam erroneamente a luxação como sinônimo de contusão (uma batida). Quem não lembra do “Foi só uma luxação” dito pelo Galvão Bueno! Sendo a Luxação uma das lesões mais grave que pode ocorrer na ortopedia, por causar alterações ligamentares, condrais (da cartilagem), possíveis fraturas e alterações vasculares. Neste texto falaremos sobre uma das luxações mais comuns, a luxação do ombro.

 

A literatura demonstra uma incidência de luxações glenoumeral de 0.24 para cada 1.000 indivíduos. Essa incidência aumenta exponencialmente nos praticantes de esportes de contacto como Futebol, Futebol Americano, Hóquei, Rugby e artes marciais.

Atleta luxando e reduzindo o ombro.

 

 

A articulação do ombro é uma articulação tipo enartrose (ou esferóide) e seu grande arco de movimento tem como fraqueza a sua instabilidade. A maioria das luxações glenoumeral (nome médico da luxação do ombro) tem o deslocamento anterior e tem, em sua primeira ocorrência, uma causa traumática.

Ilustração sobre a luxação anterior e posterior do ombro.

 

 

A articulação glenoumeral tem uma anatomia óssea muito particular com pouca profundidade e pouco contacto ósseo. Estas características fazem com que a estabilidade da articulação dependa não só de componentes estáticos (ossos e ligamentos), mas também de um componente dinâmico (a musculatura do manguito rotador e peitorais).

 

Manobra de redução da luxação glenoumeral – Técnica de tração e contra-tração.

O tratamento do primeiro episódio de uma luxação glenoumeral será, caso raras exceções, um tratamento conservador. O repouso, com imobilização do membro superior afetado, e a fisioterapia deverão ser realizados até que o atleta demonstre condições de retorno à prática da atividade física, podendo variar de 2 a 4 meses.

 

Não há consenso na literatura sobre as taxas de recorrência da luxação após o tratamento conservador, estudos demonstram uma variação de 39 a 94%. A taxa de retorno ao esporte de atletas que sofrem um primeiro episódio de luxação glenoumeral é aproximadamente 80%, no entanto Dickens et al. Demonstraram uma taxa de recorrência da luxação de aproximadamente 73% para estes atletas tratados sem cirurgia. Já a taxa de recorrência entre os atletas operados é de 7,9 a 17,8%.

 

As indicações para o tratamento cirúrgico da luxação glenoumeral podem ser divididas em absolutas e relativas:

As indicações absolutas seriam: lesão de >50% do manguito rotador, defeito acima de 20% da glenóide, lesão de Hill-Sachs (afundamento na cabeça do úmero causado pelo impacto durante a luxação) maior que 25%, luxação associada à fratura que necessita de tratamento cirúrgico, luxação irredutível e falha / recorrência da luxação após o retorno ao desporto.

Lesão de Hill-Sachs (seta) Fonte: Honda E. – Artro-ressonância do ombro na instabilidade anterior.

As indicações relativas seriam: mais de dois episódios de luxação na mesma época desportiva, participação em esportes de contacto ou desporto realizados com elevação dos membros superiores, lesão no final da época sem tempo suficiente para reabilitação, lesão óssea da glenóide maior do que 13,5%, lesão óssea de Bankart e idade inferior a 20 anos.

 

O tratamento cirúrgico avança à medida que novas técnicas cirúrgicas são desenvolvidas. O procedimento, antes realizado de forma “aberta”, é atualmente, na maioria das vezes, realizado por via artroscópica. Este consiste em estabilizar a cabeça do úmero na glenóide. Para isto é feita a reinserção do labrum da glenóide e, em alguns casos, pode ser utilizado um fragmento ósseo para aumentar a área da glenóide e bloquear o deslocamento anterior da cabeça do úmero.

Imagens do tratamento cirurgico da luxação glenoumeral. Fonte: https://drmillett.com/

A fisioterapia pós-operatória é fundamental e garantirá ao atleta bom arco de movimento e reforço da musculatura necessários para evitar um novo episódio. Esta pode durar de 3 a 4 meses e há um alto índice de atletas que voltam a competir no mesmo nível anterior à lesão.

 

A luxação do ombro é um evento comum para vários atletas, é uma lesão grave e deve ter tratamento imediato, apesar da gravidade vários atletas retornam ao nível de competição pré-lesão.

 

Freediver, velejador, triatleta e apaixonado pelo mar.

Médico especialista em medicina desportiva, ortopedia & traumatologia e cirurgia de joelho.
Trabalha com foco na melhora do rendimento do atleta e na prevenção de lesões.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS