• Nosso pé possui uma forte membrana de tecido conjuntivo que se origina na região do osso calcâneo, a fáscia plantar.
  • A fasciíte é um processo inflamatório da fáscia plantar e estruturas adjacentes, decorrente do stress repetitivo.
  • A Fasciíte plantar tem uma causa multifatorial e dentre estes fatores podemos salientar: sobrepeso, aumento da idade, a limitação da dorsiflexão do tornozelo e o aumento abrupto das cargas do treino.
  • A sintomatologia mais comum é a dor na região do calcanhar, mais forte durante os primeiros passos após um período de repouso.
  • A fisioterapia continua sendo o tratamento principal para a Fasciíte plantar.

 

Costuma ser uma queixa muito comum no consultório: “Doutor, quando saio da cama parece que estão enfiando um prego no meu calcanhar!” Mas o que é esse “prego”, como melhorar esta dor e, mais importante, como evitá-la?

 

Anatomia

Desenho anatômico da fáscia plantar

Nosso pé possui uma forte membrana de tecido conjuntivo que se origina na região do osso calcâneo, transita por toda a extensão do pé e se insere na região da cabeça dos metatarsais e nos dedos. Foto anatomia. Essa membrana é chamada de fáscia plantar.

A fáscia plantar possui função estática e dinâmica. Enquanto em repouso a fáscia é responsável pela manutenção do arco longitudinal medial do pé, essa manutenção faz com que o peso seja distribuído de forma mais uniforme sobre a cabeça dos metatarsais (a ponta dos ossos longos do pé).

 

Já sua atuação dinâmica diz respeito a absorção de choque no momento de apoio da marcha e um efeito de mola (aumentando a força propulsora) quando na fase de impulsão/desprendimento do pé.

Movimento da fáscia plantar

Ou seja, se quisermos correr bem precisamos de uma fáscia plantar saudável.

O que é a Fasciíte plantar?

É um processo inflamatório da fáscia plantar e estruturas adjacentes. São microlesões na fáscia, necrose de colágeno e alguns outros processos compatíveis com uma alteração inflamatória degenerativa secundária ao stress repetitivo.

Incidência

Aproximadamente 1% dos norte-americanos reportaram Fasciíte plantar em uma pesquisa realizada, esta incidência aumenta para 4 a 22% entre os corredores.

 

Movimento de Dorsiflexão e flexão plantar

Causa

A Fasciíte plantar tem uma causa multifatorial e dentre estes fatores podemos salientar:

– Obesidade

– Aumento da idade

– Limitação da dorsiflexão do tornozelo (deficiência no alongamento da musculatura posterior da perna)

– Aumento abrupto das cargas de treino

 

 

Sintomas

A sintomatologia mais comum é a dor na região do calcanhar, mais forte durante os primeiros passos após um período de repouso (ao levantar da cama ou primeiros passos após ficar muito tempo sentado). Pode haver também irradiação das dores para a região anterior do pé e para o tendão de Aquiles. Em uma fase inicial, pode haver alívio das dores durante a atividade física e piora após os treinos.

Exames complementares

O diagnóstico da Fasciíte plantar é um diagnóstico clínico. Os exames complementares podem ser solicitados na tentativa de excluir algum diagnóstico diferencial, como uma fratura por stress. Mas via de regra, somente o exame médico é necessário.

Tratamento

A fisioterapia continua sendo o tratamento principal para a Fasciíte plantar. Como métodos adjuvantes podem ser usadas as calcanheiras de gel, para ajudar a relaxar a fáscia plantar e reduzir o impacto sobre a área lesionada; e a terapia por ondas de choque.

A infiltração local de corticoide pode ser utilizada em casos crônicos. No entanto, esta pode causar fraqueza da fáscia plantar e sua ruptura. Ou seja, deve ser utilizada com parcimônia. Em último caso pode inclusive ser indicado o tratamento cirúrgico.

Prevenção

O melhor é sempre prevenir, então tente sempre seguir estas dicas:

– Alongue a musculatura posterior da perna (panturrilha). Isso ajuda a relaxar o tendão calcâneo e diminui as chances de uma Fasciíte plantar, da bursite retro calcânea e da tendinopatias do calcâneo.

– Libere a fáscia plantar. Deixe uma bola de tênis no chão e pise levemente sobre ela, faça movimentos para frente e para trás, além de movimentos laterais.

– Caminhe descalço. Esta é uma forma de fortalecer a musculatura do pé e reduzir o stress sobre a fáscia plantar

Conclusão

A Fasciíte plantar é um processo inflamatório decorrente de um stress repetitivo. Tem o diagnóstico clínico e será tratada com fisioterapia. As lesões crônicas, como a Fasciíte, costumam ter um tratamento mais longo, então, a paciência será fundamental.

 

 

Referências

  1. Mohammad A.T., Mehdi M., Mohammad N. T., Babak S.; Plantar Fasciitis. J Res Med Sci. 2012 Aug; 17(8): 799–804.
  2. Petraglia F., Ramazzina I., Constantino C..; Plantar fasciitis in athletes: diagnostic and treatment strategies. A systematic review. Muscles Ligaments Tendons J. 2017 Jan-Mar; 7(1): 107–118.
  3. Moghtaderi A., Khosrawi S., Dehghan F.; Extracorporeal shock wave therapy of gastroc-soleus trigger points in patients with plantar fasciitis: A randomized, placebo-controlled trial. Adv Biomed Res. 2014; 3: 99

Freediver, velejador, triatleta e apaixonado pelo mar.

Médico especialista em medicina desportiva, ortopedia & traumatologia e cirurgia de joelho.
Trabalha com foco na melhora do rendimento do atleta e na prevenção de lesões.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS