A grande maioria dos atletas já experimentou esta sensação horrível. A dor, a incapacidade de movimentar o membro afetado e a frustração de não conseguir terminar a atividade que estava fazendo. Neste artigo abordaremos as possíveis causas e prevenções desta tão conhecida e desagradável alteração.

A maioria das câimbras ocorre em atletas, mas elas também podem ocorrer em pessoas com doenças crônicas. Nosso foco, neste artigo, é nos atletas, então algumas causas e tratamentos das câimbras relacionadas a algumas doenças não serão abordadas.

 

 

O que são?

As câimbras são contrações repentinas, involuntárias e dolorosas de um músculo, ou parte dele. Podem demorar de segundos a minutos, são autolimitadas (passam sozinho) e podem, ou não, ser acompanhadas por uma contratura palpável da musculatura.

 

Causa

As câimbras estão relacionadas a uma série de fatores, a utilização exagerada de uma musculatura, desidratação e lesão muscular. No entanto, não existe uma teoria única que explique as suas origens.

Uma das teorias é a alteração nos níveis de eletrólitos no sangue. Segundo esta teoria, níveis baixos de eletrólitos fariam com que a musculatura ficasse mais suscetível às alterações nos impulsos neurológicos e nas contrações musculares. Por esta razão, muitos atletas costumam ingerir sais e bebidas com eletrólitos durante as provas. Porém, alguns estudos demonstraram que os atletas que sentiram câimbras em algumas provas estavam com os níveis de eletrólitos iguais aos daqueles que não sentiram câimbras.

Uma outra teoria defende que as câimbras têm origem puramente no excesso de contração muscular. Uma musculatura que contrai e não relaxa de forma adequada entrará em fadiga e poderá sofrer as famosas câimbras. Esta teoria tem um respaldo maior e pode ser facilmente demonstrada ao se fazer exercícios de isometria. A contração da musculatura abdominal sem o devido relaxamento, por exemplo, rapidamente gerará câimbras.

 

Fatores de risco

Um estudo demonstrou que os atletas que tiveram câimbra tinham alguns fatores de risco quando comparados ao grupo que não teve câimbra. Foram eles:

– História familiar positiva para câimbras, ou seja, pais e irmãos também relataram ter câimbras durante a prática de atividade física.

– Lesão prévia de tendão ou ligamentos.

– Faziam os exercícios com mais intensidade.

 

 

Tratamento

Apesar das câimbras serem autolimitadas, algumas atitudes parecem ajudar a reduzir o desconforto causado por elas.

– Alongamentos e massagens: os alongamentos da musculatura afetada e uma massagem leve da região podem ajudar a reduzir a dor e abreviar o tempo da câimbra.

– Compressa quente: fazer compressas quentes normalmente ajudam a relaxar a musculatura, ajudando assim a reduzir os espasmos musculares.

 

Prevenção

Tendo por base as teorias mais aceitas e os fatores de risco, para prevenir as câimbras devemos cuidar da:

– Hidratação: A hidratação (leia o artigo sobre hidratação aqui) é fundamental e deverá ser um dos pontos mais importantes no treinamento e competição dos atletas.

– Alongamento: O alongamento da musculatura ajuda a relaxar a musculatura e, como vimos, o relaxamento da musculatura é vital para a prevenção das câimbras.

– Aquecimento: O aquecimento adequado da musculatura também ajudará a prevenir as câimbras. Um aquecimento adequado fará com que os músculos contraiam e relaxem antes da atividade física. Durante a atividade devemos tomar o cuidado de percebermos o quanto a musculatura está sendo usada e o quanto relaxamos esta musculatura.

– Adequação do gesto esportivo (técnica do movimento para o determinado esporte): Durante a atividade física devemos sempre contrair e relaxar os músculos. A técnica incorreta do gesto esportivo poderá gerar uma contração muscular mais forte e/ou prolongada do que a necessária e o não relaxamento da musculatura, levando a um aumento na chance de câimbras.

– Não existem evidências científicas que comprovem que a suplementação de vitaminas em atletas saudáveis esteja relacionada com a diminuição na incidência de câimbras.

 

Conclusão

Apesar de ser uma alteração comum, as câimbras podem afetar muito a vida esportiva de um atleta. Após sentir as câimbras, alongue e faça compressas mornas. Na tentativa de evitar novas câimbras o atleta deve hidratar-se de forma adequada, aquecer bem antes da atividade, alongar após a atividade e cuidar para que tenha um bom gesto desportivo. No próximo treino, preste atenção nos movimentos e verifique se não está contraindo a musculatura demasiadamente e se está, ou não, relaxando os músculos como deveria. Caso as câimbras estejam acontecendo com muita frequência e sem uma causa específica, consulte um médico do esporte.1-

 

Referências:

  1. Gavin Shang, Malcolm Collins, Martin P. Schwellnus. Factors associated with a self-reported history of exercise-associated muscle cramps in Ironman triathletes: a case-control study.  Clin J Sport Med. 2011 May; 21(3): 204–210.
  2. Martin P. Schwellnus, Nichola Drew, Malcolm Collins. Increased running speed and previous cramps rather than dehydration or serum sodium changes predict exercise-associated muscle cramping: a prospective cohort study in 210 Ironman triathletes. Br J Sports Med. 2011 Jun; 45(8): 650–656. Published online 2010 Dec 9
  3. Kevin C. Miller, Marcus S. Stone, Kellie C. Huxel, Jeffrey E. Edwards. Exercise-Associated Muscle Cramps: Causes, Treatment, and Prevention Sports Health. 2010 Jul; 2(4): 279–283.

 

 

Freediver, velejador, triatleta e apaixonado pelo mar.

Médico especialista em medicina desportiva, ortopedia & traumatologia e cirurgia de joelho.
Trabalha com foco na melhora do rendimento do atleta e na prevenção de lesões.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS