• O Piriforme é um músculo localizado na região glútea.
  • Está posicionado junto ao nervo ciático.
  • A Síndrome do Piriforme acomete atletas de endurance e atletas de esporte de alta intensidade.

 

Introdução

O piriforme é um músculo da região glútea que está associado a contraturas e tendinopatias que podem causar dores na região glútea e, também, dores irradiadas. Neste artigo abordaremos sua localização, sua função e a sua principal lesão: a síndrome do piriforme.

 

 

Anatomia

O músculo piriforme é um músculo da região glútea que tem sua origem (inserção proximal) na face anterior do sacro (osso da pelve) e sua inserção distal no trocânter maior do fêmur. Ele fica posicionado por debaixo do glúteo máximo, dificultando a sua palpação.

As suas funções são: rotação externa do membro inferior, abdução do quadril (abrir as pernas) e a extensão do quadril (jogar o membro inferior para trás). Analisando estas funções, entende-se que o piriforme é um músculo anti-gravitacional (que nos ajuda a ficarmos de pé) e que será utilizado no caminhar, no correr e no agachar.

O nervo ciático passa junto ao piriforme e em algumas variações anatômicas pode passar através do piriforme.

Adapted from Beaton, L.E., Anson, B.J., 1938. The sciatic nerve and the piriformis muscle: their interrelation as possible cause of coccygodynia. J Bone J Surg 20, 686–688.

 

 

Definição da Síndrome Do Piriforme

A síndrome do Piriforme é uma alteração neuromuscular que ocorre quando o músculo piriforme comprime o nervo ciático.

 

Sinais e sintomas

Normalmente a síndrome se inicia como uma sensação de formigamento ou dor na região glútea. A dor pode surgir localizada na região glútea ou se irradiando para a região posterior do membro inferior. A dor irradiada ocorre pela compressão do nervo ciático e pode piorar ao ficar sentado ou durante a corrida.

Não é raro corredores após um treino longo sentirem este tipo de dor e acharem que estão sentindo dores relacionadas à um hérnia de disco ou outra alteração lombar.

 

Diagnóstico

O diagnóstico costuma ser clínico, uma boa história clínica e um bom exame físico são capazes de detectar esta alteração.  A história pode revelar trauma local, mas na maioria das vezes está associada a atividades físicas de endurance (corrida de longa distância, triathlon etc) ou de alta intensidade (Crossfit, HIIT etc.). O exame físico demonstrará dor a palpação da região glútea, podendo inclusive despertar a dor irradiada para região posterior do membro inferior. É importante que seja feita uma boa avaliação da região lombar a fim de excluir lesões nesta região.

Não há um exame de imagem que consiga ser 100% preciso no diagnóstico, a Ressonância Nuclear Magnética pode ser utilizada para excluir lesões na região lombar, como uma hérnia de disco. Na região do quadril ela pode demonstrar lesões como tendinopatia na região do piriforme, mas não vai ser capaz de dar um diagnóstico definitivo. Por esta razão, o conjunto história da lesão + exame físico será o mais utilizado pelos médicos.

 

Tratamento

O tratamento da Sd. do Piriforme deve ser direcionado à causa das dores. A dor ocorre por uma contratura e/ou tendinopatia do músculo Piriforme. Desta forma, será necessário o relaxamento e alongamento desta musculatura e de todas as outras da região (glúteos principalmente). Medicação analgésica e anti-inflamatórios podem ser usados caso as dores estejam muito fortes, mas deve ser utilizada por curto espaço de tempo e sabendo que a medicação é paliativa e não curativa.

Em casos raros o tratamento cirúrgico pode ser necessário. Já a fisioterapia e a osteopatia serão as terapias mais utilizadas e com excelentes resultados. Os alongamentos, relaxamentos miofasciais e manipulações serão as técnicas mais utilizadas.

 

Prevenção

Prevenir a Sd. do Piriforme deve ser o foco de todo atleta, principalmente dos corredores. A prevenção depende de um bom aquecimento antes da atividade física e, principalmente, de uma boa rotina de alongamentos após as atividades físicas. É a rotina de alongamentos que evitará a contratura e/ou tendinopatia do músculo Piriforme. Evitando assim a irritação ou compressão do nervo Ciático.

Seguem alguns alongamentos específicos para a região glútea e o músculo piriforme:

https://myhealth.alberta.ca/Health/aftercareinformation/pages/conditions.aspx?hwid=zp4474

 

https://www.verywellhealth.com/intermediate-piriformis-syndrome-stretching-routine-4022709

 

https://www.verywellhealth.com/intermediate-piriformis-syndrome-stretching-routine-4022709

 

https://www.verywellhealth.com/intermediate-piriformis-syndrome-stretching-routine-4022709

 

 

Conclusão

A Sd. do Piriforme é uma alteração neuromuscular que ocorre quando o músculo Piriforme comprime o nervo Ciático. Pode causar dor local ou irradiada para a região posterior do membro inferior. Está relacionada a atividades de endurance e de alta intensidade. O tratamento e a prevenção estão focados no alongamento da musculatura glútea e do piriforme.

 

 

Referências

  1. Papadopoulos EC, Khan SN. Piriformis syndrome and low back pain: a new classification and review of the literature.Orthop Clin North Am. 2004 Jan;35(1):65-71.
  2. Parziale JR, Hudgins TH, Fishman LM. The piriformis syndrome. Am J Orthop (Belle Mead NJ). 1996 Dec;25(12):819-23.
  3. Arooj S, Azeemuddin M. Piriformis syndrome–a rare cause of extraspinal sciatica. J Pak Med Assoc. 2014 Aug;64(8):949-51.
  4. Cass SP.  Piriformis syndrome: a cause of nondiscogenic sciatica. Curr Sports Med Rep. 2015 Jan;14(1):41-4. doi: 10.1249/JSR.0000000000000110.

 

Freediver, velejador, triatleta e apaixonado pelo mar.

Médico especialista em medicina desportiva, ortopedia & traumatologia e cirurgia de joelho.
Trabalha com foco na melhora do rendimento do atleta e na prevenção de lesões.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS