• A posição da mama é mantida por ligamentos formados de colágeno que ligam o músculo da região peitoral, atravessam a glândula mamária e se fixam à pele.
  • É importante salientar que nas mulheres que possuem próteses de silicone, todo o peso da prótese é sustentado pela pele da mama, que é frágil e também tem pouca capacidade de sustentar peso.
  • Durante as atividades físicas, o uso é indiscutível. Somente mulheres de mamas pequenas podem se dar ao luxo de permanecer grande parte da vida sem essa peça de roupa.

 

Usar ou não? Essa é uma pergunta que tem se tornado cada vez mais polêmica. Muitas mulheres não suportam passar o dia com eles… outras não vivem sem. Mas qual é a real verdade sobre isso?

Anatomia da mama

A posição da mama é mantida por ligamentos formados de colágeno que se originam no músculo da região peitoral, atravessam a glândula mamária e se fixam à pele. Esses ligamentos são inelásticos e seu estiramento promove um alongamento irreversível. Além disso, a qualidade da pele e a proporção entre quantidade de glândula mamária e gordura são fatores adicionais que sustentam a mama. Um recente estudo francês divulga que mulheres que não utilizam o soutien têm uma elevação da posição do mamilo, porém, nesse estudo, somente mulheres jovens, com mamas pequenas e com alto índice de atividade física foram pesquisadas. Devemos lembrar que o médico que realizou esse estudo não era um especialista em mama e que nenhuma revista de impacto aceitou fazer essa publicação.

 

 

É sabido que o envelhecimento, a oscilação do peso, a gravidez e a perda do colágeno promovem o enfraquecimento desses ligamentos que sustentam a mama e por fim, geram flacidez e queda. Seria lógico também pensar que a tração gerada pela gravidade, intensificaria esse processo. Essas alterações também ocorrem com a pele da mama, que também auxilia na sustentação do peso, podendo em muitas, ocorrer o surgimento de estrias. Sendo assim, acredito que podemos afirmar que o uso do soutien por mulheres com mamas maiores seria algo mandatório. Ou seja, retirar o peso sustentado pelos ligamentos e pela pele, evitaria o seu estiramento e retardaria a sua queda.

É importante salientar que nas mulheres que possuem próteses de silicone posicionadas acima do músculo, ou aquelas que já realizaram cirurgias de redução ou elevação das mamas, os ligamentos são todos rompidos para a colocação do implante. Assim, todo o peso da prótese é sustentado pela pele da mama, que é frágil e também tem pouca capacidade de sustentar peso.

A minha orientação para todas as mulheres é que a força de sustentação do soutien deve ser maior quanto mais pesada for a mama. Durante a prática de atividades esportivas, o uso de um top adequado é obrigatório. Os impactos gerados na mama promovem um grande estiramento ligamentar e acelera o processo de flacidez. Claro, que em mulheres com mamas pequenas, esses problemas são muito minimizados.

Além disso, o tempo de vida do soutien também é importante. Peças velhas, fracas e com perda da elasticidade são muito culpadas nessa história toda. A sustentação deve ser mantida inclusive durante à noite, pois enquanto dormimos, o peso das mamas é tracionado de acordo com a nossa posição na cama.

Concluindo, minha recomendação é que seja utilizado um soutien forte e de sustentação durante o dia e um top confortável, porém forte, durante a noite para dormir. Durante as atividades físicas, o uso é indiscutível. Somente mulheres de mamas pequenas podem se dar ao luxo de permanecer grande parte da vida sem essa peça de roupa. Em um próximo post explicarei a melhor forma de escolher o soutien esportivo e as características que devem ser procuradas em cada peça.

 

Referências:

  1. Coltman, C.E., McGhee, D.E., Steele, J.R. Three-dimensional scanning in women with large, ptotic breasts: implications for bra cup sizing and design. Ergonomics, 2017, 60(3): 439-445.
  2. Coltman, C.E., Steele, J.R., McGhee, D.E. Effect of aging on breast skin thickness and elasticity: implications for breast support. Skin Research and Technology, 2017, 23(3): 303-311. 3. 4.
  3. McGhee, D.E. & Steele, J.R. Breast elevation and compression decreases exercise-induced breast discomfort. Medicine & Science in Sports and Exercise, 2010, 42(7): 1333-1338.

Atleta amador, judoca, tenista e amante da Musculação.

Médico especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica Estética e Reparadora, Cosmiatria e Laser.

Especialista em Microcirurgia, Reconstrução de Mama e Face em Oncologia.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS