• Meia elástica compressiva durante a corrida e outras atividades físicas mais intensas pode proteger o atleta de lesões.
  • O uso de meia elástica isoladamente não tem capacidade de melhorar a performance de atletas de alto rendimento.
  • A dor muscular pós atividades de endurance pode melhorar mais rápido com o uso da meia.

Introdução

Ao correr no parque em um fim de semana ou participar de algum evento desportivo, não é incomum nos depararmos com atletas profissionais e amadores utilizando as meias elásticas coloridas, ou as polainas compressivas. Assim, com esses dispositivos tão difundidos no meio esportivo, não é difícil acreditar que sejam capazes de trazer algum conforto ou benefício para os praticantes de determinadas atividades. Mas será que as meias elásticas desportivas com compressão podem melhorar o desempenho dos atletas?

Meia compressiva

As meias utilizadas durante a atividade física possuem compressão graduada, que varia de 15 a 30 mmHg, exatamente como nas meias medicinais. Dessa forma, o ideal é que o atleta faça uma avaliação médica antes de utilizar o dispositivo, para que receba orientações do uso correto e, mais importante ainda, para que o médico avalie se não há qualquer contraindicação ao uso.

Quanto à sua forma, as meias para atividade esportiva são semelhantes às meias dos jogadores de futebol, mas há também a opção do uso das polainas ou “canelitos”, em que somente a perna, na região da panturrilha, fica coberta. Não há grandes diferenças entre os efeitos de uma ou de outra e o uso fica mais a critério do atleta, conforme sua preferência e conforto.

Meia de compressão e canelito de compressão
Fonte: https://loja.sigvaris.com.br/sport

 

Evidências Científicas

Inúmeros estudos foram realizados tentando demonstrar o benefício do uso de meias de compressão. Chegou-se a cogitar que as meias poderiam ter efeito na melhora do tempo de corredores e na performance dos atletas de elite. Até o momento, no entanto, os estudos são bastante controversos e não foi possível comprovar essa hipótese. A maioria dos artigos publicados possuem limitações como o pequeno número de participantes ou deficiências metodológicas.

Entretanto, apesar de não haver comprovação da melhora da performance atlética como um todo, o uso da meia tem demonstrado benefícios na recuperação e alívio da dor muscular pós exercício. No Brasil, atletas profissionais de voleibol tiveram seus níveis sanguíneos de biomarcadores de lesão muscular – creatina quinase (CK), lactato desidrogenase (LDH) e mioglobina (MB) – dosados após exercícios anaeróbicos realizados com e sem o uso de meia elástica (20-30 mm Hg). O uso da meia foi associado a menores níveis plasmáticos dos biomarcadores e menos queixa de dor muscular na fase de recuperação.

Dra. Anna P. Weinhardt Sincos na meia-maratona de SP.
Fonte: arquivo pessoal

Em 2016 foi publicada uma grande revisão sistemática internacional, que analisou 32 estudos envolvendo compressão elástica em atletas corredores, de diversas distâncias (de 400 mts a 42km). O intuito principal do estudo foi avaliar se os dispositivos compressivos eram capazes de melhorar a performance do atleta. Os resultados foram desanimadores no quesito melhora de tempo e da performance, entretanto, houve um efeito positivo na resistência dos atletas, que demoraram mais tempo para atingir a completa exaustão muscular quando utilizaram as meias. Isso ocorreu porque o uso das meias parece melhorar a propriocepção da pisada e a biomecânica da corrida, gerando economia para o atleta.

Além disso, houve melhora na depuração do lactato sanguíneo, o grande vilão da dor muscular pós exercício. Ainda, houve diminuição do esforço percebido pelo corredor, maior força nas pernas imediatamente após a corrida (quando comparado ao não uso da meia) e diminuição de marcadores de dano muscular e inflamação. A temperatura do corpo também foi afetada pela compactação muscular gerada pelos dispositivos compressivos e esse “resfriamento” também parece estar envolvido na economia do atleta, quase como igual à um carro e o não aquecimento de seu motor. E quando se fala em economia do atleta, junto pressupõem-se proteção muscular, articular e menor número de lesões.

Finalmente, dentre as vantagens de se utilizar a meia elástica na prática física, o alívio da dor nas pernas pós-exercício e o atraso no início da fadiga muscular foram os efeitos positivos de maior significância.

 

Dicas práticas

Converse com seu médico angiologista para saber se você tem alguma contraindicação ao uso da compressão, antes de iniciá-la.

– A escolha entre meia ou polaina está mais relacionada a preferências pessoais do que indicações médicas.

– Faça um teste do uso da meia de compressão para pequenas distâncias e somente depois de habituado as utilize para corridas longas.

Não utilize as meias de compressão esportivas no trabalho ou momentos de repouso, sem antes conversar com seu médico.

 

Fonte: https://loja.sigvaris.com.br/sport

Mito ou realidade?

Apesar do atleta não correr mais rápido e não haver comprovações da melhora do tempo de corrida e performance, o uso da meia elástica pode sim trazer benefícios relacionados ao desempenho de resistência. Ou seja, os dispositivos de compressão aumentam o intervalo de tempo em que o atleta pode se manter correndo até a completa exaustão. Além disso, o processo inflamatório pós exercício físico diminui, gerando redução da dor e dos danos musculares, principalmente em corredores de longas distâncias, como os maratonistas.

 

 

 

 

Referências:

  1. Engel, F. A., Holmberg, H.-C., & Sperlich, B. (2016). Is There Evidence that Runners can Benefit from Wearing Compression Clothing? Sports Medicine, 46(12), 1939–1952. doi:10.1007/s40279-016-0546-5
  2. Figueiredo, M.F. Figueiredo, N. Penha-Silva. Efeito do uso de meia elástica sobre os níveis dos biomarcadores de lesão muscular em atletas de voleibol após atividade física. J VAsc Bras 2011, Vol. 10, no 4
  3. Armstrong, S. A., Till, E. S., Maloney, S. R., & Harris, G. A. (2015). Compression Socks and Functional Recovery Following Marathon Running. Journal of Strength and Conditioning Research, 29(2), 528–533. doi:10.1519/jsc.0000000000000649
  4. Kemmler, W., Stengel, S. von, Köckritz, C., Mayhew, J., Wassermann, A., & Zapf, J. (2009). Effect of Compression Stockings on Running Performance in Men Runners. Journal of Strength and Conditioning Research, 23(1), 101–105. doi:10.1519/jsc.0b013e31818eaef3
  5. Del Coso, J., Areces, F., Salinero, J. J., González-Millán, C., Abián-Vicén, J., Soriano, L., … Calleja-Gonzalez, J. (2013). Compression stockings do not improve muscular performance during a half-ironman triathlon race. European Journal of Applied Physiology, 114(3), 587–595. doi:10.1007/s00421-013-2789-2

Dra. Anna Paula Weinhardt Sincos

Atleta amadora, corredora, meia-maratonista, esquiadora “out track” nas horas vagas.

Médica especialista em Cirurgia Vascular, Endovascular e Ecografia Vascular.
PhD em Ciências da Saúde pela Sociedade Israelita Brasileira Albert Einstein
Trabalha com foco na prevenção e tratamento das doenças circulatórias através do esporte e da atividade física.

MEDICINA DESPORTIVA

© 2018 Medicina desportiva.
Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por  

ASSINE A NEWS